É isso aí galera, mudei de servidor e to restaurando nosso arquivo de fotos e aproveitando pra colocar nosso acervo musical do Delta Estúdio.. é só aguardar um pouco…  Obrigado pela sua visita!

constel

 

Olá amigos, estou procurando o contato do proprietário da empresa : CONSTEL Núcleo de Eletrificação com CNPJ 08.246.299/0001-70 o Sr. Eduardo Lima da (CARLOS EDUARDO CARVALHO LIMA – ME), o mesmo foi até a Zona Rural de Vitória da Conquista e propôs a realizar a instalação Elétrica na Região, que a COELBA começou a realizar o projeto mais parou no meio do caminho sem data para retornar, faltando pouco mais 1km pra chegar até a nossa propriedade. O mesmo foi até lá com os carros plotados, conhecia muito do assunto, montou o projeto, levou o orçamento, com toda a vizinhança e fechamos o negócio, inicialmente ele foi lá, começou a cavar os buracos, levou fiação, etc e tal.. e sumiu… o pagamento foi compensado, e o mesmo não cumpriu com sua parte. Fomo s até o endereço no cartão é a residência da Irmã, e é sempre a mesma conversa, que ele está viajando, que vai realizar o serviço, mas já esta ficando com cara de estelionatário, só lá na região foi mais de R$ 30.000,00. Ainda acredito que foi só uma questão de falta de planejamento dele, mais já estamos tomando as medidas judiciais necessárias para reaver o valor pago, e principalmente os danos morais causados a nossa família, a expectativa da energia na roça, sonho de muitos anos…
Se alguém tiver noticia dele, ou esse post chegar até o seu alcance por favor entre em contato, vamos resolver da melhor maneira possível.
Se você está sendo prejudicado denuncie também! Vamos buscar nossos direitos, chega de sermos roubados.

O festival começou na última quarta-feira (26) e desde lá levou aos palcos a diversidade da música latino americana

Por Vagalume Assessoria

Móveis Coloniais de Acaju

Móveis Coloniais de Acaju

Acabou ontem (30) a quarta edição do Festival Suíça Bahiana, que aconteceu no Clube D’Waller, no Viela Sebo-Café e no Café Society em Vitória da Conquista. Ao todo, 20 atrações se apresentaram no evento, o transformando em uma grande celebração da música independente brasileira.

O festival começou na última quarta-feira (26) e desde lá levou aos palcos a diversidade da música latino americana. Na sexta-feira (28), a orquestra argentina Las Taradas fez um espetáculo memorável levando sucessos das décadas de 40, pouco tempo depois de Larissa Luz ter apresentado versões eletrônicas de hinos dos blocos afrobaianos, como o Muzenza e o Ilê Ayiê.

Dona Iracema

Dona Iracema

No sábado, o destaque foi para o duo conquistense CAIM, que apresentou pela primeira vez o show do seu novo álbum, encantando olhares de todos os presentes. As bandas Canastra e Aeromoças e Tenistas Russas foram as responsáveis por colocar o público para dançar muito.

Os  integrantes da Aeromoças, expressaram a felicidade em ter tocado no evento. “A gente sabe que não é fácil fazer um festival, é um desfio muito grande conectar pessoas e trabalhar com artistas de todo o país. Então na verdade a gente só tem a agradecer. Estamos muitos felizes em ter tocado aqui hoje no interior da Bahia, pois somos uma banda do interior de São Paulo e conseguimos chegar aqui e mostrar nosso trabalho”, afirmou o baixista Juliano Parreira.

CAIM

CAIM

Neste domingo (30), subiram ao palco as bandas baianas Oldskull, Vendo 147, Cascadura e Dona Iracema, além da brasiliense Móveis Coloniais de Acaju. A última veio pela terceira vez na cidade e encontrou um público ansioso pelo reencontro. “A gente sabia que tinha muita gente no festival pra assistir a gente, então fizemos esse show em respeito a essa galera e isso foi demais, foi sensacional”, contou o guitarrista Fernando Jatobá.

Fotos: Rafael Flores

 

 

chrome-icone-700x393

O Google anunciou em setembro de 2013 que estava planejando remover o suporte a plugins NPAPI do Chrome. O NPAPI foi criado originalmente para o Netscape, funcionou no Internet Explorer e chegou até os navegadores atuais, mas tem problemas de desempenho e segurança. Em setembro de 2015, plugins baseados na tecnologia deixarão de funcionar permanentemente no navegador do Google.

As estatísticas do Google mostram que a adoção desses plugins caiu significativamente nos últimos meses. O Java é um dos principais afetados: em setembro de 2013, era usado mensalmente por 8,9% dos usuários do Chrome; em outubro de 2014, o uso caiu para apenas 3,7%. Devido às constantes falhas de segurança, o plugin do Java é bloqueado por padrão, e o usuário precisa ativá-lo manualmente caso queira usá-lo.

 

O Silverlight também está sumindo, mas num ritmo mais lento: no mesmo período, foi de 15% para 11%. Boa parte da queda certamente tem a ver com a substituição do Silverlight pelo HTML5 pela Netflix, uma das poucas plataformas que ainda dependia do plugin da Microsoft para fazer streaming adaptativo de vídeo e proteger o conteúdo por direitos autorais — o HTML5 já possui extensões que oferecem esses recursos.

O cronograma prevê que o NPAPI será desativado por padrão no Chrome em abril de 2015 e as extensões que exigem esses plugins serão removidas da Chrome Web Store. Usuários avançados que realmente precisarem do NPAPI poderão ativá-lo manualmente em chrome://flags/#enable-npapi. Em setembro de 2015, a ideia é remover totalmente o suporte ao NPAPI do Chrome.

De certa forma, dá para dizer que o Google amarelou nos seus planos — inicialmente, a empresa planejava acabar de vez com o NPAPI até o final de 2014, o que não vai acontecer. Com o novo cronograma, os desenvolvedores e as empresas que ainda dependem desses plugins terão mais alguns meses para fazer a transição.

O Flash, um dos plugins mais conhecidos, não será afetado pela decisão porque usa o PPAPI, tecnologia mais segura desenvolvida pelo Chrome. Até o momento, nem Microsoft e nem Oracle informaram se pretendem lançar novas versões do Silverlight e do Java para que eles continuem funcionando no Chrome.

O Google ainda não permite o download de mapas brasileiros no aplicativo do Google Maps para Android como em outros países, mas agora há uma solução gratuita: a Oi anunciou oficialmente o Oi Mapas, um aplicativo de GPS que funciona mesmo sem conexão com a internet e pré-carrega o mapa do Brasil na memória do aparelho. Apesar de levar a marca da Oi, ele pode ser usado gratuitamente por clientes de todas as operadoras.

Na primeira inicialização, o Oi Mapas faz download do mapa brasileiro, voz em português e algumas informações adicionais, como localização de radares, pontos de interesse e construções em 3D. No total, são pouco mais de 200 MB de dados baixados. Depois, ele passa a calcular rotas, passar instruções em áudio e fazer buscas mesmo quando o 3G não colaborar.

oi-mapas-android-600x533

Quando conectado à internet, o Oi Mapas ganha alguns recursos sociais: dá para compartilhar um local pelo Twitter, fazer check-in no Foursquare, acessar a página do estabelecimento e encontrar pontos de interesse no Facebook. No futuro, a loja permitirá que você baixe mapas de outros países, mas eles serão pagos.

O Oi Mapas está disponível para download no Google Play, para smartphones com Android 2.2 ou superior. Ele foi publicado pela NDrive, que também possui seu próprio aplicativo de GPS. A operadora promete atualizações gratuitas de mapas e anunciou que uma versão para iPhone será lançada na App Store em breve.

Fonte: tecnoblog.net

 Edy Star e Ayam Ubráis/ Foto: Rafael Flores

Edy Star e Ayam Ubráis/ Foto: Rafael Flores

Por Vagalume Assessoria

Começou nesta sexta-feira (28), a quarta edição do Festival Suiça Bahiana no Clube D’Waller em Vitória da Conquista. A primeira noite recebeu apresentações memoráveis, como das argentinas Las Taradas, o encontro entre Ayam Ubráis e Edy Star, Scambo e o dançante show da soteropolitana Larissa Luz.

O primeiro a subir ao Palco J. Murillo foi o artista conquistense Tom Lemos. Logo em seguida foi a vez do histórico encontro entre Edy Star e Ayam Ubráis. O primeiro foi parceiro de Raul Seixas no antológico disco “Sociedade da Grã Ordem Kavernista Apresenta: Sessão das Dez”, trabalho o qual influenciou Ayam Ubráis a começar sua carreira na música.

“Conheci o disco no ano 2000 em uma farra com amigos e desde lá descobri que o que faria na música seguiria essa linha”, conta Ubráis. Edy Star se diz muito feliz com a realização do show. “Estou satisfeitíssimo, o público reagiu bem. Estou impressionado com Vitória da Conquista e com o Suíça Bahiana, achei fantástico estar aqui, dou parabéns à cidade por possuir um evento como esse”, afirma.

Larissa Luz/ Foto: Rafael Flores

Larissa Luz/ Foto: Rafael Flores

Larissa Luz foi a primeira a se apresentar no grande palco que homenageia o agitador cultural Miguel Côrtes.  A soteropolitana, ex-vocalista da banda Araketu, trouxe elementos da cultura afro-baiana mesclados com pitadas de música jamaicana.

No mesmo palco, o grupo argentino Las Taradas trouxe para o Suíça Bahiana canções das décadas de 40 e 50 e transformou o clube D’Waller em um grande baile. “É uma experiência muito linda estar aqui em Vitória da Conquista e outras cidades do interior do Brasil, que se não fossem desta forma, levaríamos anos e anos sem conhecer”, afirma Nati Gavazzo, uma das oito integrantes do grupo.

Las Taradas/ Foto: Rafael Flores

Las Taradas/ Foto: Rafael Flores

A banda Acarta encerrou as atividades do primeiro dia de festival, mostrando ao público canções autorais como “Adeus Até” e “Lavroura Arcaica”. O Festival Suíça Bahiana continua neste sábado (29) no clube D’Waller, contando com atrações como Caim, Bonde do Rebento e Canastra.